O deputado estadual Luiz Claudio Romanelli ( PMDB) questionou nesta segunda-feira (28), as informações prestadas pelo diretor do DER ao jornal Gazeta do Povo em relação ao ressarcimento das concessionárias de pedágio por eventuais prejuízos. “É inconcebível, sob qualquer hipótese, retirar recursos do orçamento para dar às concessionárias, sob o argumento de que elas tiveram prejuízo. Recebi a garantia do governador Beto Richa de que o governo não cogita essa possibilidade”, afirmou.

Segundo Romanelli, a bancada do partido vai propor uma emenda à Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) vedando que a lei orçamentária de 2015 e dos anos subsequentes tenha a previsão de repasse de recursos públicos às concessionárias de pedágio. “Se as concessionárias estão tendo prejuízo, que devolvam as rodovias ao governo do Estado. No caso da Econorte, por exemplo, a concessionária mudou a praça de pedágio de Andirá para Jacarezinho e quadriplicou o faturamento. Já há decisão judicial de primeiro e segundo grau determinando o fechamento da praça, mas ela continua funcionando por força de liminar. Falar em prejuízo é um deboche”, disse.

Romanelli afirmou que o governo do Estado tem buscado uma solução negociada para sanar alterações contratuais informais feitas pelas administrações anteriores. “Mas isso não significa, em absoluto, que o governo do Estado vá destinar recursos orçamentários para as concessionárias”, afirmou.

Romanelli ressaltou que o governo do Estado recebeu uma herança maldita, na questão do pedágio. “Os governos anteriores retiraram centenas de quilômetros de duplicações, construções de marginais, terceiras faixas, trevos e viadutos. A duplicação entre Cascavel e Foz do Iguaçu, por exemplo, foi excluída em 2007. Várias obras foram postergadas para os últimos seis anos da concessão. Foi um desserviço ao povo do Paraná”, afirmou.

Romanelli lembrou que o governo retomou as obras para melhorar as estradas que compõem o Anel de Integração. “Os investimentos em obras já somam mais de R$ 1,5 bilhão. São obras como o contorno de Campo Largo, as duplicações entre Guarapuava e Relógio, Medianeira e Matelândia e Jandaia do Sul e Apucarana, o contorno de Mandaguari, duplicação Floresta-Campo Mourão, duplicação entre Cambé e Warta,entre outras”, conclui.